opraela

Sunday, July 16, 2006

REMÉDIO DE BASE

É possível haja você caído em profundo desânimo, por estar sofrendo:

a falta de alguém;a incompreensão de amigos;o frio da solidão;o conflito de idéias;acusações indébitas;desajustes no trabalho;dívidas agravadas;prejuízo em negócios;doenças no próprio corpo;moléstias em família;complexos de culpa;reprovações e críticas;sensações de abandono;lutas e desafetos;deserções de entes caros;e obsessões ocultas...

Seja qual for, porém, a sua prova em si. erga a própria cabeça, ponha os olhos no Alto e retome a tarefa em que deva servir, confiando-se a Deus, porque Deus proverá e em Deus qualquer problema achará solução.


(Chico Xavier)

Thursday, July 13, 2006


era uma vez...um fim de mundo... d´água
num grande barco Noé escapa
levando espécies seleccionadas...

na calmaria Picasso envia a pomba da
Paz

e ...em tentativa....tudo é recomeço...
éramos d´água amálgama e alma...

hoje o fim do mundo é de fogo
assim estava escrito...
" quem viver....verá "

eu vejo, tu vês, ele vê
estamos vivos...naves incendiadas...
sem e cem Noé...(s)?
oferecem...sob ameaças
animais sem selecção...
espécies brutais....
em posições de caçadores e....caça

Monday, July 03, 2006

A SUA PAZ INTERIOR







Perto de Tóquio vivia um grande samurai, já idoso,
que se dedicava a ensinar paz de espirito real aos jovens.
Apesar de sua idade, corria a lenda de que, ainda
era capaz de derrotar qualquer adversário.
Certa tarde, um guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos
apareceu por ali.
Queria derrotar o samurai e aumentar sua fama.
O velho aceitou o desafio e o jovem começou a insultá-lo.
Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou
insultos, ofendeu seus ancestrais.
Durante horas fez tudo para provocá-lo,
mas o velho permaneceu impassível.
No final da tarde, sentindo-se já exausto e extremamente irritado, o
impetuoso guerreiro retirou-se.
Desapontados, os alunos perguntaram ao mestre
como ele pudera suportar tanta indignidade e ele respondeu:
- Se alguém chega até você com um presente,
e você não o aceita, a quem pertence o presente?
- A quem tentou entregá-lo, respondeu um dos discípulos.
- O mesmo é válido para a inveja, a raiva e os insultos.
Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem o carregava
consigo.

A sua paz interior depende exclusivamente de você.
As pessoas não lhe podem tirar a calma.
Só se você o permitir!
(autoria desconhecida)